As Cidades Inteligentes e Gestão de Políticas Públicas: Transformação Digital na prática Territorial

Inova | Portal Sala dos Municípios da ADEMESP
12/07/2017

Publicado pela Associação de Desenvolvimento dos Municípios do Estado de São Paulo (ADEMESP), o vídeo apresenta discussões e informações sobre tecnologias e plataformas que podem ser aplicadas para melhorar a Gestão Pública. Fonte.

O Geógrafo Abimael Cereda Junior, líder de Ciência & Pesquisa da Imagem, discute como a Transformação Digital e suas dimensões, como big data, apps, mobilidade e colaboração impulsionam a Gestão de Políticas Públicas alcançando um patamar real de “Cidade Inteligente”.

O Portal Sala dos Municípios é uma parceria entre a ADEMESP e a Universidade São Caetano do Sul (USCS). O portal foi criado para suprir uma deficiência das administrações públicas nas áreas de gerenciamento de projetos e na capacitação continuada dos seus gestores e servidores públicos. Busca-se por meio do Portal Sala dos Municípios tornar as cidades do estado de São Paulo cada vez mais eficientes e eficazes na gestão pública.

Mais informações em http://www.img.com.br e http://geografiadascoisas.com.br

Inteligência Geográfica e a Transformação Digital: competências básicas na Gestão do Território alavancando oportunidades profissionais

CEREDA JUNIOR, A. Inteligência Geográfica e a Transformação Digital: competências básicas na Gestão do Território alavancando oportunidades profissionais. Revista Digital de Engenharia da APEAESP, no. 1; maio a julho de 2017

Download do artigo completo.

Acesso Revista Online.

 

Tópicos:

  1. A Educação Espacial
  2. Do Dado à Inteligência Geográfica (no Espaço Geográfico)
  3. Transformação Digital e Geografia das Coisas
  4. Tendências e competências para o mercado de trabalho com Inteligência Geográfica
  5. Considerações iniciais
  6. Bibliografia

[…] A sociedade contemporânea enfrenta uma série de grandes e novos desafios, que devem ser superados sob a ótica da resiliência ambiental e social que territorializa-se no Espaço Geográfico já que “toda relação de poder desempenhada por um sujeito no espaço produz um território” (RAFFESTIN, 1993).

No Brasil, como exemplos insuficientes, podemos elencar a crise hídrica, Aedes aegypti, desafios ao setor elétrico, transformações e impactos profundos na política e economia, gestão das Cidades (e as propagadas Cidades Inteligentes), o Agronegócio (e a Digital Farming/Smart Farms), ou seja, intervenções que tem em si impacto direto na produção do território por meio de seus atores “compostos por malhas, nós e redes”, conforme Raffestin em sua obra originalmente publicada em 1980, afirmando que “a intensidade e a forma da ação de poder nas diferentes dimensões do espaço originam diferentes tipos de territórios”.

Esse homo faber, que produz o Espaço Geográfico por meio da territorialização- desterritorialização-reterritorialização, realmente enfrenta novas crises e problemas ou tratamos, de fato, de novas velocidades (Tempo) e escala de abrangência (Espaço) ao processo em “um tempo rápido ao qual se antepõe um tempo lento” (SANTOS, 1996)?

Conciliar interesses da sociedade em suas diversas dimensões, trazendo soluções à demandas e problemas que tem, intrinsicamente, o Território, Paisagem e Lugar como fundamentos basilares, são elementos presentes em toda história da humanidade. Tais competências deveriam ser adquiridas desde a educação básica, mas, especialmente para aquelas formações ligadas ao Planejamento, Gestão e Intervenção no Espaço Geográfico.

Sabendo que “a tecnologia é a sociedade e a sociedade não pode ser entendida ou representada sem suas ferramentas tecnológicas” (CASTELLS, 2003), a Inteligência Geográfica apresenta-se como resposta para tais necessidades, integrando a Ciência Geográfica em suas múltiplas dimensões às Tecnologias, principalmente Digitais. Emergem, assim, cidadãos informados e capazes de tomar decisões, que já estão vivenciando a chamada Transformação Digital; Espaço e Tempo integrados gerando Conhecimento.

Partindo do tema proposto pela Comissão Organizadora do 13º Congresso Nacional de Engenharia de Agrimensura (CONEA) para Conferência e Artigo, procurou-se neste levantar conceitos e discussões para reflexões no âmbito acadêmico e profissional, lançando mão de artigos, proposições autorais e bibliográficas para a integração da Inteligência Geográfica ao processo educacional de maneira abrangente, bem como às discussões em Câmaras e Setores Técnico-Profissionais.

Download do artigo completo.

Novas Tecnologias e Aplicações para Ensino, Pesquisa e Extensão na UNESP Rio Claro

Conferência UNESP Rio Claro
27/04/2017

Voltar para casa sempre é um prazer, uma busca que temos pelo nosso Lugar e não Território. Ter tido a oportunidade de realizar uma conferência no meu lar científico, ou seja, na Universidade Estadual Paulista – UNESP Campus Rio Claro – onde recebi mais que conceitos ou metodologias, mas alicerces que me tornaram “Geógrafo”, foi uma grande honra.

A foto ao lado tem significado ímpar para mim, reúne “Geografias”: nossos símbolos nacionais, o símbolo do curso/instituto e Roger Tomlinson. Mais #geogeek impossível.

Ao longo dos três últimos anos à frente da estruturação e ação como Educação na Imagem, e hoje trabalhando com a excelência em Ciência & Pesquisa, tive a oportunidade de conversar de maneira individual com professores e pesquisadores de diversos Departamentos e Institutos da UNESP Rio Claro e, esta Conferência, possibilitou o início do debate integrado sobre as possiblidades do uso de novas tecnologias e aplicações para Ensino, Pesquisa, Extensão e Administração por meio da visão de Plataforma Tecnológica para ações no Espaço. Do que estou tratando?http://wp.me/p65lHG-4v

Você também busca tais aplicações mas não participou do evento? Seminários online disponíveis no seguinte link: https://www.youtube.com/watch?v=ch8oUIu0A8A&list=PL91TmnxAfead0g09CvrhQ1nsSBlkrjbjm&index=3

Faço aqui um agradecimento especial ao Prof. Dr. Auro Aparecido Mendes, que tornou possível este evento, uma parceria UNESP e  Imagem.

Tecnologias & Mapas: Revolução para Smart Cities e Farms

V SETEC – FATEC Mogi das Cruzes
26/04/2017

A FATEC (Faculdade de Tecnologia do Centro Paula Souza) de Mogi das Cruzes reuniu professores e alunos – mais de 90 em cada período, vespertino e noturno – dos cursos de Agronegócio e de Análise e Desenvolvimento de Sistemas para discussões sobre os novos desafios e soluções que as “Tecnólogos e Tecnologias” são chamados hoje à respostas pela sociedade brasileira, na V SETEC – Semana de Tecnologia da FATEC.

Com a participação da Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes e empresas como a CGI-SAP, AZclick e outras, a Ciência & Pesquisa Imagem esteve presente discutindo como a Transformação Digital e suas dimensões (Mobilidade, BigData, Social Business e Cloud) já inundam nosso no dia-a-dia e que, ao tratarmos de problemas urbanos e/ou do agronegócio, precisamos integrar ideias, soluções e pessoas, tendo Plataformas Tecnológicas como elo de ligação.

Agradecemos todos os presentes e que tal aproveitar e conhecer mais sobre o tema, como a palestra apresentada no IoT Day da FACENS 2017?

Storytelling + MApps = Comunicação eficaz – dicas para uma apresentação de alto impacto

Revistar Superinteressante - fevereiro 2017Autor.

A capa da revista Superinteressante de fevereiro de 2017 – assim como muitos periódicos e vídeos/’coaching’ milagrosos por aí – trata do tema “Como falar bem em público“. Não é meu interesse, neste artigo, discutir aspectos psicológicos, técnicas ou mesmo fórmulas mágicas, mas sim apresentar dicas: alguns pontos de reflexão para quem precisa apresentar uma ideia ou resultado que tenha o “Espaço Geográfico” como tema.

Sem arriscar porcentagens – ou artigos que citam porcentagens – o uso indiscriminado do Powerpoint, assim como já foi das transparências em um tempo não-tão-remoto-assim, na maioria das vezes é alvo de brincadeiras, rostos cansados e/ou falta de atenção em uma apresentação tendo como um dos principais problemas: nem ao menos foi criado um ROTEIRO da sua HISTÓRIA. É como culpar o Waze de um caminho que seguimos cegamente: não sabemos, minimamente, o contexto de como chegar.

Pesquisas contemporâneas discutem (não fugimos das estatísticas…) que o poder de concentração máximo das pessoas está entre 10 a 18 minutos; em um ambiente de stress este tempo pode cair pela metade. Ao estar em contato direto com nosso público, seja de maneira presencial ou remota por recursos das Tecnologias de Informação, já temos uma grande conquista: seu tempo e atenção por alguns minutos.

Por isto, a abordagem do storytelling – ou contação de histórias – pode ser uma estratégia para conectar os anseios do seu público-alvo (até mesmo aqueles que ainda são latentes) e o que temos de melhor para atender tais necessidades.

De acordo com a consultoria Endeavour Brasil storytelling é “a prática de se contar uma boa história”. Eu acredito que toda boa história começa com uma mapa. Assim, o storytelling é um meio de dialogar com o público usando a história da empresa, do produto, a necessidade e a expectativa do cliente (JARDIM, 2014).

A partir da sistematização do autor e por meio da apropriação dos conceitos deste (e de outras experiências pessoais acadêmicas e de mercado), gostaria de trazer alguns pontos que podem auxiliar os que lidam com o Espaço Geográfico em suas apresentações de ideias e resultados, avançando no conceito de Storytelling para StoryMaps. Para entendimento (e produção!) assista o vídeo abaixo.

Continuar lendo

Diagnóstico do alto: o futuro dos VANTs, softwares de geoprocessamento e outras ferramentas relacionadas à Silvicultura de Precisão

B.Forest – A Revista 100% Eletrônica do Setor Florestal
Edição 29 – Ano 04 – N° 02 – Fevereiro 2017

b-forest-edicao-29-ano-04-n-02-fevereiro-2017À medida em que se tornam cada vez mais avançadas, as tecnologias de georreferenciamento trazem diversos benefícios aos plantios florestais. Embora certas limitações técnicas e econômicas ainda impeçam maiores índices de mecanização, sendo necessária a ação humana no campo para suprir estas lacunas, o futuro dos VANTs, softwares de processamento e outras ferramentas relacionadas à silvicultura de precisão permanece promissor.

Para Gustavo Fedrizzi da Silva, gestor de portfólio de agronegócio da Imagem, distribuidora ofcial da Esri e da plataforma ArcGIS no Brasil, a silvicultura de precisão fornece grandes ganhos às companhias. “As empresas que utilizam essas ferramentas e plataformas relatam retorno na casa dos milhões, com o melhor planejamento de rotas para retirada de madeira, monitoramento de frota e ganhos consideráveis em logística, otimizando aspectos básicos como a economia de diesel. Há um grande ganho de gestão na melhoria das boas práticas no manejo dos dados da empresa. Sabe-se qual é o tipo de solo em que foi plantado e como estava a fertilidade do solo daquela área, e é possível criar um banco de dados de informações geográficas para melhor tomada de decisão. No longo prazo, há o retorno desse investimento, que é difícil de mensurar em aspectos de gestão, mas são certamente consideráveis”, explica.

Com a coleta de informações atualizadas, e o uso de plataformas e softwares inteligentes, é possível convergir uma imensa quantidade de dados variados para a criação de bancos de dados utilizando o Big Data. “Sempre se trabalhou com o tal Big Data na silvicultura de precisão, com a interferência de muitos dados incontroláveis, como condições climáticas. Hoje, não se pode mais controlar as coisas só na intuição. É preciso transferir toda essa inteligência de dados e informações e analisar como podemos integrar tecnologias nas quais os produtores já investiram muito dinheiro (sensores de produtividade, drones, imagens de satélite, etc.). Não se opera mais apenas em departamentos de trabalho, mas departamentos de informações”, esclarece o Prof. Dr. Abimael Cereda Junior, líder de Ciência & Pesquisa da Imagem.

Baixe a edição 29 completa da B.Forest – A Revista 100% Eletrônica do Setor Florestal – fevereiro 2017.

Saiba mais sobre o tema no vídeo abaixo, no quadro Conversa Franca do dia 29/06, onde apresentador Otávio Ceschi Júnior conversou com o geógrafo Abimael Cereda Júnior, explicando como os gestores podem aprender a interpretar as imagens dos drones, trazendo mais assertividade aos processos agrícolas.

GEOBONFIM 2017: VANTs, Geotecnologias e Cidades Inteligentes

RELEASE OFICIAL

banner geobonfim2017 O GEOBONFIM 2017, já tem programação de palestras definidas. ConfiraMuito honrado pelo convite para participação com palestra e práticas sobre Cidades Inteligentes no GEOBONFIM 2017, gostaria de compartilhar o release oficial das atividades que estarei envolvido durante o evento, cujo objetivo é reunir professores, pesquisadores, instituições de ensino, pesquisa e extensão, gestores estaduais e municipais, empresários e a sociedade civil organizada da região para – juntamente com professores e pesquisadores com expertise em VANT e GEOTECNOLOGIAS – discutir a GESTÃO INTELIGENTE das Cidades no Semiárido Baiano.

Participar em um evento nacionalmente reconhecido como o GEOBONFIM é uma oportunidade única, podendo discutir em Senhor do Bonfim a temática Cidades Inteligentes – que, para alguns, só se aplica às grandes metrópoles, grandes investimentos ou filmes de ficção científica. Tenho certeza que este será um marco para toda a região, com um time de organização e palestrantes que propõe mudanças positivas à Gestão Continuada e Participativa do Território Brasileiro

Para conhecer a programação completa e as atividades, visite o release completo na MundoGeo!!

O EVENTO

O GEOBONFIM 2017, cujo tema será VANT, GEOTECNOLOGIAS E CIDADES INTELIGENTES é uma realização do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano – Campus Senhor do Bonfim, organizado pelo grupo de pesquisa LABGEO-Labor em Geotecnologias, sob a coordenação geral do Prof. Dr. Vandemberg Salvador.

DATAS E EIXOS TEMÁTICOS

Na sua sexta edição, o GEOBONFIM 2017 acontecerá de 23 a 26 de maio de 2017, no Campus Senhor do Bonfim – IFBAIANO, com programação para 10 palestras e 10 minicursos sobre os seguintes eixos temáticos: Mapeamento com VANT, SIG e Cidades Inteligentes, Cadastro Técnico Multifinalitário e Georreferenciamento de Imóveis Urbanos e Rurais.

Atividades

Data: 24/05/2017
Tema: Cidades Inteligentes
Palestrante: Prof. Dr. Abimael Cereda Júnior
Instituição: Imagem (São José dos Campos – SP)
Hora: 08:00h
Local: Auditório do Campus Senhor do Bonfim

Data: 24/05/2017
Tema: Novas dimensões para a Gestão de Cidades (Inteligentes) com o uso de #MApps – Edição 1
Instrutor: Prof. Dr. Abimael Cereda Junior
Instituição: Imagem (São José dos Campos – SP)
Hora: 13h30 às 17h30
Local: DIDÁTICA 01 – SALA 02
Número de vagas: 30
Carga horária: 04 h/a

Data: 25/05/2017
Tema: Novas dimensões para a Gestão de Cidades (Inteligentes) com o uso de #MApps – Edição 2
Instrutor: Prof. Dr. Abimael Cereda Junior
Instituição: Imagem (São José dos Campos – SP)
Hora: 13h30 às 17h30
Local: DIDÁTICA 01 – SALA 02
Número de vagas: 30
Carga horária: 04 h/a