Geógrafo encontra espaço em TI e Gestão Ambiental

Jornal DCI – Diário Comércio Indústria & Serviços
11/11/2015

Por Henrique Julião

As partes em vermelho são revisões de minha fala, pós-publicação da entrevista realizada por telefone, onde ocorreram alguns equívocos.

Demanda por mapas em aplicativos e sites fomenta surgimento do geogeek; área ambiental surge como principal alternativa para novos profissionais

São Paulo – Há vagas para profissionais de geografia. A alta de ferramentas de georreferenciamento, aliada à maior preocupação da sociedade civil com a questão ambiental, ampliaram o leque de opções para formados na área, que não precisam mais restringir sua atuação à academia.

“Há bastante campo e dar aula não é a única saída”, conta o geógrafo e professor de Relações Internacionais da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), Jorge Mortean. “Não existe a história de que não estamos inseridos. A categoria tem se mexido e, na medida em que o mercado se renova, vamos encontrando novas brechas”, completa Mortean.

Uma dessas possibilidades, afirma ele, é na área da sustentabilidade corporativa. Para ilustrar a questão, o professor toma si mesmo como exemplo: antes de partir para o mundo acadêmico, Mortean executou o papel de gerente de projetos em uma instituição filantrópica vinculada à um banco. À medida que as empresas percebem os benefícios que ações sócio-ambientais podem gerar, mais aquecida fica a procura por profissionais de geografia.

“O meio ambiente representa a maior área de atuação do geógrafo, tanto na iniciativa privada quanto em órgãos e empresas da esfera pública”, explica o conselheiro da Associação Profissional de Geógrafos no Estado de São Paulo (Aprogeo-SP) no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), Renato Benito Felippe – outro que também tem envolvimento com iniciativas empresa/meio ambiente, desta vez na área petrolífera.

O motivo da predileção por profissionais da carreira é a mesma que leva universidades e consultorias a contratarem geógrafos para seus quadros: a abrangência da formação, que desenvolve profissionais mais aptos. “A área de atuação integra diversas áreas do saber. Essa visão integradora é o grande diferencial e o habilita a construir cenários que contemplam uma grande quantidade de aspectos”, destaca Felippe.

Mortean também exalta a conjugação de conhecimentos técnicos – que podem envolvem áreas como oceanografia e geobiografia, por exemplo – com especialidades humanas, que tornam o geógrafo em um profissional híbrido. “No caso dos professores, também pode se migrar para diplomacia, relações internacionais e institucionais”, diz o docente.

Tão importante para os geógrafos como a vertente ambiental, o mercado da tecnologia da informação também atrai parte da mão de obra, sobretudo em atividades vinculadas ao georrefereciamento e geoprocessamento.

Geoprocessamento

“A área passou por grandes mudanças nos últimos 15 anos. Quando cursei a graduação não existia o geoprocessamento. Hoje os cursos têm pelo menos três matérias sobre o assunto”, conta o geógrafo e gerente da vertical educação da Imagem, Abimael Cereda Junior. A empresa é umas das primeiras em todo o País a atuar na área de soluções de Inteligência Geográfica.

Quando cursei a Graduação em Geografia na UNESP Rio Claro, nosso Projeto Pedagógico não incluía a disciplina Geoprocessamento, somente “Informática para Geografia”. Quer saber mais sobre mudanças? Veja este vídeo.

Atualmente, a Imagem tem 17 geógrafos em seus quadros. “Hoje em dia, todas as empresas lidam com posições geográficas“, explica Cereda Junior, se referindo à presença de elementos como mapas em aplicativos para smartphones. Mortean vai pela mesma linha: “Quando você liga um app como o Waze ou Uber, o mapa é apenas o trabalho final. Na atualização, decodificação e tradução dele está o geógrafo e o geoprocessamento”.

Dados e Informações Geográficas, não como mera localização e/ou representação, mas como base de seus processos de tomada de decisão.

Ainda que não existam estudos sobre a tendência, o campo da tecnologia surge como alternativa para os novos geógrafos . Para Cereda Junior., a convergência está resultando em uma nova espécie de profissional: o “geogeek”, que reúne as competências do geógrafo com as habilidades da computação e da informática.

Uma nova geração

É pensando nesse perfil que a Imagem, em parceria com a gigante norte-americana do ramo, a Esri, promove a Academia GIS Imagem. O programa oferece capacitação com mais ênfase na geotecnologia através de cursos itinerantes.

A Academia GIS Imagem tem como missão proporcionar, por meio de Cursos e Treinamentos, a ADOÇÃO da Plataforma ArcGIS, além da criação de uma cultura de Inteligência Geográfica, não só no âmbito técnico-operacional, mas também metodológico e nas melhores práticas Esri.

“Visitamos escolas e faculdades para explicar nosso papel e como ele pode impactar a sociedade”, conta Cereda Junior. O evento principal da ação – o GIS Day – será celebrado globalmente no dia 18 de novembro, quando todos os parceiros Esri divulgaram a iniciativa.

Meu trabalho como Geógrafo, na posição de Gestor de Educação e da Academia GIS Imagem é disseminar em Universidades, Escolas, Museus e outras Instituições de Pesquisa/Ensino as possibilidades da Geografia + Tecnologia, alcançando a Inteligência Geográfica. 

Especificamente no mês de novembro, tenho participado de uma série de eventos #GISDay, conforme pode ser visto aqui.

Versão original em PDF – DCI 11/11/2015

 

1 comentário

  1. Pingback: O mercado de Geoprocessamento, Geografia e mais | Abimael Cereda Junior

Os comentários estão desativados.