Inteligência Geográfica e a Transformação Digital: competências básicas na Gestão do Território alavancando oportunidades profissionais

porceredajunior

Inteligência Geográfica e a Transformação Digital: competências básicas na Gestão do Território alavancando oportunidades profissionais

CEREDA JUNIOR, A. Inteligência Geográfica e a Transformação Digital: competências básicas na Gestão do Território alavancando oportunidades profissionais. Revista Digital de Engenharia da APEAESP, no. 1; maio a julho de 2017

Download do artigo completo.

Acesso Revista Online.

 

Tópicos:

  1. A Educação Espacial
  2. Do Dado à Inteligência Geográfica (no Espaço Geográfico)
  3. Transformação Digital e Geografia das Coisas
  4. Tendências e competências para o mercado de trabalho com Inteligência Geográfica
  5. Considerações iniciais
  6. Bibliografia

[…] A sociedade contemporânea enfrenta uma série de grandes e novos desafios, que devem ser superados sob a ótica da resiliência ambiental e social que territorializa-se no Espaço Geográfico já que “toda relação de poder desempenhada por um sujeito no espaço produz um território” (RAFFESTIN, 1993).

No Brasil, como exemplos insuficientes, podemos elencar a crise hídrica, Aedes aegypti, desafios ao setor elétrico, transformações e impactos profundos na política e economia, gestão das Cidades (e as propagadas Cidades Inteligentes), o Agronegócio (e a Digital Farming/Smart Farms), ou seja, intervenções que tem em si impacto direto na produção do território por meio de seus atores “compostos por malhas, nós e redes”, conforme Raffestin em sua obra originalmente publicada em 1980, afirmando que “a intensidade e a forma da ação de poder nas diferentes dimensões do espaço originam diferentes tipos de territórios”.

Esse homo faber, que produz o Espaço Geográfico por meio da territorialização- desterritorialização-reterritorialização, realmente enfrenta novas crises e problemas ou tratamos, de fato, de novas velocidades (Tempo) e escala de abrangência (Espaço) ao processo em “um tempo rápido ao qual se antepõe um tempo lento” (SANTOS, 1996)?

Conciliar interesses da sociedade em suas diversas dimensões, trazendo soluções à demandas e problemas que tem, intrinsicamente, o Território, Paisagem e Lugar como fundamentos basilares, são elementos presentes em toda história da humanidade. Tais competências deveriam ser adquiridas desde a educação básica, mas, especialmente para aquelas formações ligadas ao Planejamento, Gestão e Intervenção no Espaço Geográfico.

Sabendo que “a tecnologia é a sociedade e a sociedade não pode ser entendida ou representada sem suas ferramentas tecnológicas” (CASTELLS, 2003), a Inteligência Geográfica apresenta-se como resposta para tais necessidades, integrando a Ciência Geográfica em suas múltiplas dimensões às Tecnologias, principalmente Digitais. Emergem, assim, cidadãos informados e capazes de tomar decisões, que já estão vivenciando a chamada Transformação Digital; Espaço e Tempo integrados gerando Conhecimento.

Partindo do tema proposto pela Comissão Organizadora do 13º Congresso Nacional de Engenharia de Agrimensura (CONEA) para Conferência e Artigo, procurou-se neste levantar conceitos e discussões para reflexões no âmbito acadêmico e profissional, lançando mão de artigos, proposições autorais e bibliográficas para a integração da Inteligência Geográfica ao processo educacional de maneira abrangente, bem como às discussões em Câmaras e Setores Técnico-Profissionais.

Download do artigo completo.

Sobre o Autor

ceredajunior administrator