Geoprocessamento e sensoriamento remoto aquecem mercado de trabalho Geografia

porceredajunior

Geoprocessamento e sensoriamento remoto aquecem mercado de trabalho Geografia

Estadão Economia & Negócios – Caderno Educação Universitária
09/09/2012

Para saber mais sobre o mercado de Geoprocessamento, Geografia, Inteligência Geográfica e o que vem por aí, inscreva-se agora no canal!!

NOVIDADE 2017!

Por Cris Olivette

Mercado de Trabalho Geogafia e Geoprocessamento

Clique na imagem e saiba mais sobre o Mercado de Trabalho em Geografia, Geoprocessamento e áreas afins

O coordenador do bacharelado de geografia da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Campinas), Abimael Cereda Junior, afirma que a profissão vem sofrendo grandes modificações.

“Hoje, o geógrafo ressurge como um profissional com visão integrada do ambiente. Ele pode atuar em planejamento e apoio à gestão territorial e ambiental, além de elaborar relatórios de impacto ambiental, interpretar fotografias aéreas e imagens de satélite, criando mapas interativos.”

A formação capacita o aluno para compreender, dominar e aplicar novas tecnologias. Os geógrafos também podem desenvolver pesquisas realizando análise socioeconômica ambiental, ou seguir carreira acadêmica. “Temos ex-alunos trabalhando com geração de mapas digitais para empresas de dispositivos móveis. Outros, analisam imagens de satélite para reduzir riscos de queimadas.”

Cereda Junior diz que, hoje, a área que mais aquece o mercado de trabalho é a de sistemas de informações geográficas. “Esse trabalho envolve as disciplinas de geoprocessamento e sensoriamento remoto, permitindo aos profissionais unir tecnologia e computação com a geografia.” O estágio de 136 horas é obrigatório e o registro profissional da categoria é obtido no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA).”

Sobre o Autor

ceredajunior administrator